x

Queremos ajudar sua empresa

Fale conosco

  • Endereço

    CUBO - Alameda Vicente Pinzon, 54 - Vila Olimpia
    São Paulo/SP

  • Redes sociais

Blog

Navegue por nossa trilha do conhecimento e crie novos insights para seu negócio

Mapeamento de Fluxo de Valor

Mapeamento do Fluxo de Valor (VSM) – O que é e como fazer

Toda empresa precisa encontrar formas de aprimorar os seus processos e alavancar o crescimento. Para isso, é preciso entender exatamente como funciona a operação e quais são as atividades que agregam mais ao negócio. Nesse sentido, o Mapeamento do Fluxo de Valor é essencial para visualizar os passos necessários para a entrega de um produto.

 

O que é o Mapeamento do Fluxo do Valor?

Também conhecido como VSM (sigla para Value Stream Mapping), o Mapeamento do Fluxo de Valor é uma ferramenta de fluxograma para apontar, ilustrar, analisar e quantificar os processos dentro de uma empresa, com objetivo de identificar quais atividades geram maior valor agregado e quais geram pouco valor.

Dessa forma, é possível encontrar onde estão os principais focos de desperdício e dar início a um programa de melhoria contínua.

É importante destacar que o VSM se diferencia do mapeamento de processos, pois este último é mais simples e feito sem levar em conta o fluxo de informações e de materiais. Por outro lado, o VSM está mais alinhado à cultura lean e identifica mais claramente quais atividades geram mais ou menos valor dentro da cadeira produtiva.

 

Como aplicar o Mapeamento do Fluxo de Valor?

O primeiro passo para colocar o VSM em prática é identificar o produto ou a família de produtos que será analisado e os limites do mapa (onde ele deve começar e terminar). É importante ter o apoio da liderança da empresa pois você precisará de tempo e muitas vezes de dados relevantes direto do chão de fábrica.

A partir de então, entra de fato o desenho do processo, que pode ser dividido nas seguintes etapas:

 

1- Definição dos passos do processo

Dentro do limite estabelecido, defina quais são os passos que acontecem em um único local, onde o estoque entra e depois sai. Lembra-se que, diferentemente do que acontece no mapeamento de processos, aqui você não está listando cada tarefa que é executada, e sim estudando as atividades de trabalho e fluxo de informações que agregam valor.

 

2- Coleta de dados

Com os passos definidos, é hora de avaliar o desempenho de cada processo. Essas informações devem ser adicionadas a uma “caixa de dados” na hora do desenho do mapa. São dados como tamanho do estoque, tempo do ciclo, OEE, número de funcionários e qualquer outra informação que vai ser decisiva para agregar ou não valor ao cliente.

 

3- Avaliação dos passos

Nesse momento, você precisa analisar se cada etapa do processo é valiosa (gera valor na perspectiva do cliente), capaz (qual é a frequência de um bom resultado a cada ciclo), disponível (se aquela tarefa está disponível constantemente), adequada (se há capacidade para atender todas as demandas dos clientes) e flexível (o quanto o processo pode mudar rapidamente e sem prejuízos).

 

4- Mapeamento da movimentação e de fluxo de informações

Registre também como é o fluxo de informações e movimentação de materiais dentro da operação. O ideal é que o produto nunca pare de se movimentar, o que pode ser verificado pelo nível dos estoques. Também é preciso entender como é o fluxo de informações, analisando quais são os pontos de contato com fornecedores e clientes.

 

5- Análise do mapa

Localize onde estão os principais desperdícios, pontos que podem ser melhorados, processos que não agregam valor e podem ser reduzidos ou eliminados. A partir daí, crie um planejamento de melhoria contínua e desenhe um VSM com o estado futuro para ter um norte a seguir.

 

Principais benefícios do Mapeamento do Fluxo de Valor

Como já falamos, o o VSM está muito ligado ao Lean Manufacturing. Assim, seus principais benefícios são a redução de desperdícios e otimização dos recursos disponíveis no negócio.

Em um mercado cada vez mais competitivo, quem não souber extrair o máximo de seus recursos vai ficar para trás. Vale dizer que, quando falamos de recursos, estamos incluindo mão-de-obra, máquinas, equipamentos, materiais e qualquer outro fator que possa agregar valor na operação.

É importante que todos os envolvidos no negócio entendam a importância do Mapeamento do Fluxo de Valor para colocar as mudanças em prática e aumentar a produtividade da empresa.

 

Como a Novidá pode te ajudar

A Novidá desenvolveu um sistema de geolocalização indoor que te ajuda a visualizar os processos da sua operação e incluir dados assertivos em um Mapeamento de Fluxo de Valor.

Por meio de crachás, smartphones ou tags (beacons), monitoramos a movimentação de colaboradores e equipamentos móveis dentro do seu ambiente de negócio. Dessa forma, é possível acompanhar o histórico de movimentação, entender o tempo de execução de cada atividade, localizar funcionários em tempo real e muito mais!

Quer saber como nosso sistema deixa o Mapeamento de Fluxo de Valor muito mais completo e contribui para otimizar o seu negócio? Agende uma conversa com nossos especialistas!

Pronto para otimizar seu negócio?

voltar ao topo